Lucas Nascimento Hermelino

22 de Fevereiro de 2013

IDADE: 28 anos.
FORMAÇÃO: estudante de Direito.
QUANTOS CONCURSOS JÁ REALIZOU: 
em torno de 10 a 12 concursos.
CARGO QUE OCUPA: 
Técnico do Seguro Social - INSS.
OBJETIVO FINAL NA CARREIRA PÚBLICA: Procurador ou Auditor Fiscal do Trabalho.

Por que resolveu fazer concursos?

 

Ainda estou cursando a faculdade de Direito, na Universidade do SUl de Santa Catarina - UNISUL, mas mesmo antes de ingressar no meio acadêmico, sempre vi na carreira pública uma forma justa de ascender tanto na vida profissional como pessoal. O trabalho realizado pela Previdência Social, apesar de ser bastante criticado pela mídia e por grande parte da população, exerce um importante papel na ditribuição de renda do país. Vi nesse cargo uma forma de contribuir para uma sociedade mais justa, ao mesmo passo que a estabilidade e a boa remuneração financeira tiveram também grande peso na escolha.

 

 

Fale um pouco de sua trajetória nos concursos públicos:

 

Com 19 anos de idade, aproximadamente,  morando sozinho na cidade de Tubarão, consegui emprego em uma empresa privada como auxiliar administrativo. Sempre gostei muito de ler e estudar, e sonhava cursar uma faculdade. Vim de uma cidade pequena e de uma família humilde e ter um curso superior custeado pelos pais era simplesmente impossível para mim. Resolvi que teria de uma maneira ou de outra, conseguir realizar esse sonho. Vi nos concursos uma maneira rápida e justa  de alcançar esse objetivo.



Sem muito dinheiro no bolso, lembro que fui até uma SEBO (loja de livros usados) para tentar encontrar algum livro ou apostila voltada para concursos. Encontrei uma apostila bem velha e surrada (dessas que se compra em bancas de jornal). O preço era R$7,50. Acessível para mim na época. Paguei feliz e fui correndo para casa estudar.



Estudava nas horas vagas e depois do trabalho. Mas claro, estudava errado e com material desatualizado. Mas era o que eu tinha. E assim estudei por um bom tempo até que saiu o edital para Técnico do Seguro Social do INSS em 2005. Intensifiquei ainda mais os estudos. Ficava lendo essa apostila madrugada a dentro, finais de semana e em qualquer momento de folga que eu tinha. Fiz a prova e ao sair o resultado fiquei classificado mas lá na ponta de baixo da tabela rsrsr. Sabia que era o primeiro concurso mas fiquei triste e desmotivado e resolvi dar um tempo nos estudos para concurso.

 

​Com o passar do tempo, meu salário na empresa em que eu  trabalhava já era um pouco melhor e resolvi fazer o vestibular para Direito na UNISUL, universidade da cidade em que fui morar: Tubarão-SC. Passei em 18º lugar. A faculdade foi a propulsão motivadora pra eu voltar a estudar com firmeza. Pelos meados de 2007, decidi me preparar novamente para o vindouro concurso do INSS.

 

Estudei com mais afinco ainda. Agora com materiais melhores. Com livros emprestados da biblioteca da faculdade. Eu sabia as leis 8212, 8213 e Decreto 3048 (legislação básica para o concurso do INSS) praticamente de cor. Estava tudo na ponta da língua. Estava realmente muito preparado. Fiz a prova muito confiante na aprovação. A cidade para a qual me inscrevi abriu 2 vagas apenas. Na hora do resultado, para minha surpresa, fiquei em 5º lugar.



Aquele resultado foi um verdadeiro baque pra mim. Eu apostei todas as minhas fichas nesse concurso. Eu lembro que chorei uma noite toda. Sim, uma noite toda chorando, da meia noite às 6:40, horário em que meu relógio tocou o alarme pois era esse o horário que eu acordava para ir trabalhar. Eu falo isso hoje para pessoas que não são concurseiras, acham que isso é loucura da minha parte. Mas só quem é concurseiro pra saber como é essa sensação de bater com o nariz na porta da aprovação.



No decorrer da validade do concurso, sempre fiquei acompanhando as notícias desse concurso nos fóruns virtuais que tem aos rolos pela internet. Tinha época que me enchia de esperança pela nomeação. Em outros momentos eu já me desanimava. Mas eram só especulações de fontes nada oficiais, mas que me deixava ora confiante ora desanimado. E o tempo passou. Fiquei um ano esperando por essa bendita nomeação, mas nada aconteceu. Mais uma grande frustração.



Mesmo assim, procurei reunir força e entusiasmo para voltar a estudar. Agora já estudava para o edital que estivesse aberto, não só para o INSS. Com isso consegui boas colocações em vários concursos: 25º no concurso dos Correios; 3º, no concurso da Secretaria de Saúde de SC, 3º lugar no concurso da Cobra Tecnologia; 5º lugar no concurso da Secretaria de Assistência Social de SC; 5º lugar no concurso do MP-SC. Os bons resultados, agora já não me frustravam, pois já tinha me convencido que a minha nomeação estava próxima.

 

Em 2011, ao saber da autorização para realização do Concurso pra Técnico do Seguro Social, resolvi agora "peitar" o desafio do terceiro concurso pro INSS com mais coragem. Resolvi pedir demissão do meu emprego e encarar uma maratona de estudos incansável para conseguir meu objetivo. Comprei livros, apostilas, fiz cursos. Investi pesado na preparação. Eu acordava 6:30 da manhã e estudava até perto da meia noite.

 

Os intervalos eram feitos para os lanches e refeições e de hora em hora descansava andando um pouco pela casa. Uma loucura, diriam alguns, mas era isso que eu queria,  e se era dedicação que eu precisava ter, era essa a dedicação que eu ia dar. Foram cerca de 6 meses de puro estudo. Das 60 questões da prova, acertei 58. Fiquei em segundo lugar no resultado final. Na cidade que me inscrevi tinham 5 vagas. Agora a vaga era minha. Dia 11 de julho de 2012 tomei posse na Agência de Criciúma-SC e estou muito feliz com o trabalho e com a vitória que me custou longos e árduos anos.

 

 

Qual a sua metodologia de estudo?

 

Minha metodologia de estudo é seguir um edital.  Imprimo esse edital e vou sublinhando aquilo que já estudei. Resolver o máximo de questões de concursos anteriores ajuda e muito a preparação. Estudar o conteúdo da disciplina é como comprar um revólver. Resolver questões de concursos anteriores é como fazer o curso de tiro. Você pode até ter um bom revolver, mas se não souber atirar bem...



Eu estudava 16 horas por dia, e às vezes até mais que isso, porque tinha todo o tempo livre. E acho que toda essa carga horária não é parâmetro para todos. Há quem consiga estudar no máximo 4 horas. Se nessas 4 horas produziu o seu limite diário de estudo com qualidade, é nesse limite que se tem que trabalhar. Acredito que quando o estudo  é com foco e determinação, o resultado vem com certeza.

 

 

Algumas dicas e conselhos que você acha interessante para quem está se preparando para um concurso público:

 

Se desligar um pouco das redes sociais. Isso atrapalha muito se a pessoa não tiver concentração e foco nos estudos. É bom curtir a página de professores especializados e de cursinhos e ler as dicas que eles dão em cada post, mas tem que tomar cuidado com os excessos. Depois de fazer a prova, não ficar acompanhando fóruns virtuais de discussão sobre a prova, muito menos acompanhar os rankings.

 

As discussões e as especulações que nascem em um fórum são em algumas vezes infrutíferas. O ranking deixa a pessoa muito ansiosa e desmotivada, pois muitos "fakes" postam notas falsas e o candidato quando pensa que ficará nas últimas posições, na hora do resultado final verá que se saiu muito melhor. Por último, aquilo que me rendeu a aprovação, e acredito que valha para todos os candidatos: persistência, persistência, persistência e quando estiver pensando em desistir: mais persistência.

Approved Empreendimentos Digitais

CNPJ: 26.835.989/0001-­47

Suporte: contato@fuiaprovado.com

Termos de Uso  |  Política de Privacidade